Como funcionam os microscópios.

Uma das invenções mais notáveis ​​da história da ciência foi o microscópio; com ele você pode visualizar elementos imperceptíveis ao olho humano. Por meio deste artigo, convidamos você a aprender como funcionam os microscópios.

Microscópios

Este objeto particular e famoso usado principalmente em áreas que envolvem ciência, é uma ferramenta que nos permite observar, analisar e estudar partículas muito pequenas (vivas ou inertes) que não são alcançadas a olho nu.

Ao colocar a amostra sob a lente de um microscópio, é produzida uma amplitude da imagem que abre todo um mundo interessante para explorar e estudar.

Um ponto a ser observado é que, desde sua criação no final do século 16, os microscópios melhoraram nosso conhecimento de biologia básica, pesquisa biomédica, diagnóstico e vários contextos científicos.

Como funcionam os microscópios?

Para saber como funciona um microscópio, você precisa basicamente de uma amostra que será objeto de estudo, uma fonte de luz e um sistema óptico. Para compor uma imagem, o elemento deve ser iluminado com um determinado tipo de luz que permitirá a criação da imagem amplificada.

Em sistemas ópticos, a objetiva é o principal instrumento de imagem. Como sistemas ópticos, podemos citar como exemplo:

  • O olho humano
  • Uma câmera
  • Uma lupa
  • Um projetor
  • Um microscópio
  • Um telescópio

Os cientistas concordam que o olho humano, junto com o cérebro, é o sistema de processamento de imagem mais eficiente disponível hoje em termos de velocidade e resolução.

Em um microscópio, apenas a ampliação não é suficiente. É preciso a resolução e a capacidade de um sistema óptico para dividir dois pontos muito próximos para determinar o que será visto.

Tipos de microscópios

Os microscópios podem ser classificados de acordo com várias considerações: seja o suporte usado para iluminar a amostra, de acordo com o número de lentes, o número de oculares, a transferência de luz ou mesmo seu escopo.

Microscópio óptico

Funciona levando em consideração as propriedades da matéria para mudar a direção dos raios de luz. Com a combinação de lentes especiais, que ajudam a dividir ou convergir esses raios de luz, é possível obter uma imagem maior.

Este, por sua vez, usa um conjunto de lentes, algumas no objeto a ser visualizado e outras localizadas na ocular. É assim:

  • A lente do objeto causa uma imagem ampliada da amostra.
  • A imagem que foi produzida primeiro é ampliada pela lente do olho, gerando uma imagem virtual muito maior que o objeto em questão.

Esse tipo de microscópio precisa necessariamente usar luz para seu funcionamento. Portanto, eles vêm com uma fonte de luz e um condensador que focaliza a luz que incide sobre a amostra.

À medida que a luz passa pela amostra, as lentes são responsáveis ​​por direcionar a luz para criar uma imagem maior.

Microscópio Eletrônico

Isso usa elétrons para dar estrutura à imagem (em vez de luz como a óptica). É composto por um suporte (para emanar os elétrons), uma câmera (para isolar a amostra a ser visualizada e poder calcular exatamente) e um monitor (para observar o produto final); vários anexam um sistema de digitalização para salvar as imagens.

Suporte

Na parte superior está o Cânone (possui um filamento de tungstênio que é responsável por emitir o feixe contínuo de elétrons), o feixe passará por um Ânodo (pólo positivo para direcionar os elétrons) e por fim uma lente condensadora e uma deflexão bobina (que realiza filtragem eletrônica, para obter uma imagem ponto a ponto).

Câmera

A sala principal é a amostra (objeto para observar e estudar), que geralmente é coberta com uma pequena camada de ouro para maximizar a precisão O feixe de elétrons atinge a amostra, o que chamaríamos de reflexão, que produz um sinal (reação de elétrons para entrar em contato com a amostra).

Para conhecer este sinal, é necessário um detector de elétrons secundário, ou seja, um detector que possa "ler" o referido sinal. O detector coleta informações, as amplifica e as molda para que possam ser visualizadas.

Monitorar

Você tem a imagem pronta graças ao detector de elétrons secundário, uma imagem definida. Ou seja, a amostra já está visualizada no microscópio.

Microscópio de luz ultravioleta

Irradie a foto com luz ultravioleta (UV); a distância de frequência deste tipo de luz é menor que a perceptível. Além disso, alta resolução e contraste são obtidos nos resultados deste dispositivo, pois podem ser observadas fotos que parecem transparentes quando vistas sob luz normal.

Microscópio de luz polarizada

É um microscópio óptico ao qual são adicionados um par de polarizadores. A direção da luz neste microscópio é específica e muito eficaz na visualização de amostras translúcidas, pedras e minerais.

Microscópio de fluorescência

Neste caso, o aparelho utiliza substâncias fluorescentes que geram a imagem da amostra. A amostra é iluminada com uma lâmpada de vapor de xenônio ou mercúrio. Para isolar a luz proveniente do objeto, são colocados filtros especiais.

Partes de um microscópio

Sabemos que existem diferentes tipos de microscópios, porém, existem partes e componentes em comum entre eles. Como o seguinte:

  • Ocular: é responsável por ampliar a imagem que se forma nas lentes. Esta é a lente próxima aos olhos do explorador.
  • Objetivos: são as lentes localizadas no revólver. Eles são responsáveis ​​por expandir e formar uma imagem virtual.
  • Diafragma: é um tipo de porta que normaliza a quantidade de energia incandescente que deve chegar ao condensador.
  • Condensador: lente que aglomera ou reúne o feixe de luz.
  • Foco: é responsável por direcionar o feixe de luz em direção ao condensador.
  • Revolver: Este é um dispositivo móvel que pode girar e é onde estão localizados os vários alvos ampliados. Isso confere a distribuição das objetivas com a ocular.

.

Deixe um comentário

Observe que os comentários devem ser aprovados antes de serem publicados